segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Cozinha Mineira


Ouvi dizer que mineiro é o bahiano que foi para São Paulo e parou para descansar. Piadas a parte, neste dia percebi que a cozinha mineira não se resume a pão de queijo, torresmo e cachaça. Descobri que a vaca atolada tem de ser atolada e não nadando, daí a importância de usar mandioca fresca e não congelada (a baixa temperatura reduz a capacidade de espessamento do amido da raiz). Também descobri que o pão de queijo é mais fácil do que se imagina. Além disso contamos com a dileta presença da Silvia Mascella Rosa, professora do curso de sommelier de vinhos. Ela pediu para ir para a aula e entrou na dança. E também fez uma receita nova. O negócio é sair da zona de conforto. E funcionou. Pelo menos para ela, pois o amor aos pedaços que fiz ficou mais ou menos. Ficou para todas as três praças. Taí a dica, o negócio é apurar bastante o abacaxi e o coco, para que fique bem seco, senão solta líquido na massa e vira aquele salseiro. Depois eu posto as receitas do pão de queijo e do amor aos pedaços.

 Feijão tropeiro com bisteca (foto: Cristiana Purcell)
Costela com canjiquinha (foto: Cristiana Purcell)

Vaca atolada (foto: Cristiana Purcell)


Feijão tropeiro com bisteca suína

Canja de galinha
Pães de queijo por Silvia M. Rosa (foto: Silvia M. Rosa)

Tina fodendo com o fundo! (foto: Silvia M. Rosa)

Eu atacando de confeiteiro. (foto: Silvia M. Rosa)

Gustavo fazendo tipo de comentarista de futebol. (foto: Silvia M. Rosa)

Jorge da Hora experimentando os pratos.

2 comentários:

  1. Que saudades do meu professor ..Jorge eu quero experimentar ...

    ResponderExcluir
  2. professor Jorge deixa sua aluna degustar tbém????

    ResponderExcluir